Inscrevi-me em Nutrição,

Se você leu o primeiro post do blog, você sabe que sou advogada. Pois bem, sou advogada, formada pela UFF. Orgulho da família de ter passado em Universidade Federal, carreira clássica, OAB de primeira no nono período, tudo para ser um sucesso.

Fiz o vestibular em 2009, passei para Direito na UFF/Macaé. Vim morar em Macaé, APENAS para estudar. A época em que se faz vestibular já é bastante conturbada e a minha vida pessoal estava mais conturbada ainda.

Formei-me em 2015, e os desencantamentos com a profissão logo começaram a surgir. Como todo bacharel/advogado, achei que era porque eu não queria advogar e sim estudar para concurso.

Pedi demissão do lugar onde estava e comecei a estudar para concurso. Passava horas e tardes sentada estudando e o estudo não rendia. Investi em cursos, livros, coaching de estudo e nada dava certo. Misturei com a advocacia de forma autônoma e começou a dar mais errado ainda.

Comecei a me questionar o porquê o estudo não rendia, o porquê eu não me sentia satisfeita, o porquê eu não estava conseguindo estudar e me concentrar nos concursos. Eu já havia feito aquilo antes, eu já havia ficado meses estudando. Fiz isso no vestibular e depois na OAB, porque agora não funcionava?

Todas as dificuldades da profissão se tornaram intoleráveis para mim. O único prazer que eu tinha era ir pro Crossfit, era dividir minha rotina, minha dieta, ajudar amigos a introduzir uma rotina mais saudável.

O assunto alimentação ficou em voga na minha vida. E depois de muita crise existencial, pensei em iniciar uma nova graduação, em nutrição. Busquei o auto-conhecimento, li livros sobre propósitos da vida, escutei opiniões de quem mudou de carreira, acompanhei no snap pessoas que gentilmente compartilham sua rotina e suas mudanças de carreira.

Fiz algumas sessões de coaching, tive medo, enfrentei a família, contei com o apoio do noivo e tomei a decisão de iniciar uma nova graduação. Fui ouvindo alguns sinais que a vida me deu. Algumas pessoas que não sabiam que eu era advogada perguntando se eu era atleta, se eu era nutricionista. A reviravolta na minha rotina durante a primeira faculdade, a minha paixão pelo esporte e a descoberta na alimentação. A criação do curso de nutrição na minha cidade.

Pouco a pouco fui entendendo que eu tinha uma memória ruim da área jurídica, meus pais levaram pro judiciário questões de guarda, visitação e pensão. Então, hoje, eu penso que meu inconsciente pode também associar a advocacia a algo ruim.

Pessoas que compartilham da mesma experiência no Snap me ajudaram muito, a @pvvalansi, discursou muito sobre esses sinais da vida. E a @cicaregomacedo sempre posta frases e pensamentos que me tocam muito. Dentre eles:

“Se você ainda segue uma carreira profissional pela qual optou quando jovem, faça a si mesmo a seguinte pergunta: “Eu seguiria o conselho de um adolescente sobre a minha vocação?””

Comecei a perceber que tudo bem recomeçar, que tudo bem tentar de novo, que não é uma ofensa a ninguém e que principalmente, eu sou nova, é a hora de tentar SIM. É como na dieta, cair e levantar, tentar e recomeçar.

“Tudo é um entre um milhão de caminhos. Portanto, você deve sempre manter em mente que um caminho não é mais do que um caminho; se achar que não deve segui-lo, não deve permanecer nele, sob nenhuma circunstância. Para ter uma clareza dessas, é preciso levar uma vida disciplinada. Só então você saberá que qualquer caminho não passa de um caminho, e não há afronta, para si nem para outros, em largá-lo se é isso o que seu coração lhe manda fazer. Mas sua decisão de continuar no caminho ou largá-lo deve ser isenta de medo e ambição. Eu lhe aviso. Olhe bem para cada caminho, e com propósito. Experimente-o tantas vezes achar necessário. Depois pergunte-se, e só a si, uma coisa. Essa pergunta é uma que só os muito velhos fazem. Meu benfeitor certa vez me contou a respeito, quando eu jovem, e meu sangue era forte demais para poder entendê-la. Agora eu entendo. Dir-lhe-ei qual é: esse caminho tem um coração? Todos os caminhos são os mesmos: não conduzem a lugar algum. São caminhos que atravessam o mato, ou que entram no mato. Em minha vida posso dizer que já passei por caminhos compridos, mas não estou em lugar algum. A pergunta de meu benfeitor agora tem um significado. Esse caminho tem um coração? Se tiver, o caminho é bom; se não tiver, não presta. Ambos os caminhos não conduzem a parte alguma; mas um tem coração e o outro não. Um torna a viagem alegre; enquanto você o seguir, será um com ele. O outro o fará maldizer sua vida. Um o torna forte; o outro o enfraquece.”

Carlos Castãneada.

Estamos na vida à passagem, tudo que fazemos aqui é passagem, é para passar o tempo. Afinal, a única certeza que temos, é que vamos morrer. Então se esse passar o tempo, se essa distração não fizer sentido, não fizer bem, não for prazeroso, não tem porque seguir.

“A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem” Oscar Niemeyer

Inflada desses pensamentos, essa semana me inscrevi em nutrição. Muito emocionada, venci várias barreiras e estou começando uma nova fase. Vou iniciar a faculdade com uma nova cabeça, com um novo estímulo e mais madura. Espero encontrar meu caminho, mas se não for, não constitui ofensa alguma e a ninguém mudar.

E por fim:

“É preferível o erro à omissão, o fracasso ao tédio, o escândalo ao vazio. Ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer.” Nizan Guanaes

Gostou desse post? Não deixe de comentar! Se você ainda não me segue no instagram: @leticia.mcf

Anúncios

8 respostas para ‘Vou estudar Nutrição!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s