ENTENDENDO OS RÓTULOS

Baseada na cartilha desenvolvida pela Anvisa, neste post falamos sobre quais itens são obrigatórios conter num rótulo de produto alimentício.

Entendendo os rótulos:

Você sabe o que você está comendo?

Baseado no manual de orientação dos consumidores da Anvisa, vamos falar sobre o que é obrigatório conter num rótulo!

Os rótulos são elementos importantíssimos pois fazem a conexão do consumidor com o produto.

De acordo com o ministério da saúde, aproximadamente 70% das pessoas consultam os rótulos na hora da compra,porém mais da metade não o compreende 100%.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa é o órgão responsável pela regulação da rotulagem de alimentos. Ou seja, é a Anvisa que estabelece quais informações um rótulo deve conter, visando a qualidade e a saúde do consumidor.

Mas quais informações são obrigatórias num rótulo?

1. Lista de ingredientes:

Item importantíssimo! É na lista que os consumidores podem verificar, por exemplo, a existência de açúcar no produto. Que, atenção! Pode vir com outros nomes, como por exemplo: Dextrose.

Lembra-se, a lista de ingredientes deve estar em ordem decrescente, isto é, o primeiro da lista é o de maior quantidade, e o último da lista, o de menor quantidade.

2. Informação nutricional:

Nela deve contar:

2.1. Porção: A quantidade média do alimento que deve ser usualmente consumida por pessoas saudáveis.

2.2.: %VD: Percentual de valores diários é um número em percentual que indica o quanto o produto apresenta de energia e nutrientes em relação a uma dieta de 2000 calorias (Mas atenção, essas calorias são indicadas no GERAL para homens ADULTOS  e saudáveis – O que quer dizer que para mulheres e crianças, por ex. essa porcentagem indicada seria menor).  Cada nutriente apresente um valor diferente para se calcular o VD.

3. Medida Caseira: Indica a medida normalmente utilizada pelo consumidor para medir alimentos. Ex: fatias. É obrigatório justamente para o consumidor entender melhor as informações nutricionais.

Além disso, o rótulo deve conter: prazo de validade, origem, conteúdo líquido (quantidade total do produto na embalagem) e lote.

Instagram: @letmcosta

Anúncios

POR QUE LIMITAR O CONSUMO DE ALIMENTOS PROCESSADOS?

Por que limitar o consumo de alimentos processados?

No último post diferenciamos alimentos in natura, processados e ultra processados de acordo com o Guia Alimentar da população brasileira.

Hoje, iremos falar o porquê evitá-los. Como já dito, alimentos processados passam por métodos de processamento. Estes métodos alteram de modo desfavorável a composição nutricional.

Isso porque, esses alimentos são acrescidos de sal ou açúcar, em quantidades maiores do que em preparações caseiras. Tal fato é preocupante, pois o consumo excessivo de sal e/ou açúcar está associado a doenças do coração, obesidade, além de outras doenças crônicas.

Para, além disso, durante o processamento, o alimento pode perder água e ganhar açúcar e óleo, fazendo com que aumente sua quantidade de calorias. Sendo mais um fator de risco para obesidade.

Por estas razões, o consumo de alimentos processados deve ser limitado e a alimentação deve ser balanceada em alimentos in natura.

Instagram: @letmcosta

As diretrizes do Guia Alimentar da População Brasileira

No post anterior, falamos a respeito do Guia Alimentar da População Brasileira, e mais especificamente, o que é.

Em breve resumo, o guia, como o próprio nome diz, é um guia para a população e para profissionais de saúde. Isso quer dizer que: O guia orienta a população brasileira e profissionais de saúde no Brasil inteiro. Ou seja, pauta CUIDADOS COM A SUA SAÚDE Importante não é?? Então vamos saber que diretrizes são essas:

No post anterior, falamos a respeito do Guia Alimentar da População Brasileira, e mais especificamente, o que é.

Em breve resumo, o guia, como o próprio nome diz, é um guia para a população e para profissionais de saúde. Isso quer dizer que: O guia orienta a população brasileira e  profissionais de saúde no Brasil inteiro. Ou seja, pauta CUIDADOS COM A SUA SAÚDE Importante não é?? Então vamos saber que diretrizes são essas:

A alimentação não diz respeito apenas aos nutrientes dos alimentos, mas também ao peso cultural e social que esse alimento carrega e todos os aspectos que influenciam a saúde e o bem-estar.

O guia alimentar apresentado pelo Ministério da Saúde, olha de forma abrangente a alimentação e sua relação com a saúde e o bem-estar, as recomendações levam em conta nutrientes, alimentos, combinações de alimentos, preparações culinárias e as dimensões culturais e sociais das práticas alimentares.

Levando tudo isso em consideração, o guia pauta suas recomendações em sintonia com o cenário e evolução da alimentação e condições de saúde da população. Ou seja, o guia se pauta no momento em que a sociedade está vivendo.

A alimentação adequada e justa é um direito humano básico. A diretriz da promoção da alimentação adequada e saudável compreende um conjunto de estratégias que objetivam proporcionar aos indivíduos e coletividades a realização de práticas alimentares apropriadas.

As principais doenças que atualmente acometem os brasileiros deixaram de ser agudas e passaram a ser crônicas, são a principal causa de morte entre os adultos. O excesso de peso acomete um em cada dois adultos e uma em cada três crianças brasileiras.

Em contraste com a obesidade, em razões de políticas públicas (de acordo com o Guia), a desnutrição tem estado em declínio.

Dessa forma, sintonizando com o seu tempo, o guia oferece recomendações para promover a alimentação adequada e saudável e, nessa medida, acelerar o declínio da desnutrição e reverter as tendências desfavoráveis de aumento da obesidade e de outras doenças crônicas relacionadas à alimentação.

Importante destacar que o guia baseia suas recomendações em conhecimentos gerados por estudos experimentais, clínicos, populacionais e antropológicos, bem como em conhecimentos implícitos na formação dos padrões tradicionais da alimentação.

Acompanhe mais dicas no instagram: @letmcosta

Link para o guia: Guia Alimentar

OBJETIVOS

 

Você certamente tem objetivos. Seja meta de emagrecimento, meta profissional ou meta acadêmica. Mas muitas pessoas não conseguem atingir seus objetivos gerando um grande sentimento de frustração. E por que isso acontece?

Eu já me perguntei isso diversas vezes e cheguei a algumas conclusões. Alguns pontos ajudam a entender o porquê esses objetivos não são alcançados.

– CRENÇA:

Você pode ter alguma crença antiga que te impeça de acreditar que você é capaz de conseguir. Nesse caso, você tem que procurar ajuda psicológica e realmente QUERER fazer esse tratamento, levá-lo a sério.

-VITIMIZAÇÃO:

Saia do papel de vítima. Vítimas não vencem. Assuma o protagonismo e a auto-responsabilidade. Situações ruins vão acontecer com todo mundo, a melhor forma de lidar com isso, é assumindo o protagonismo e fazendo o melhor dentro daquela situação.

-ORGANIZAÇÃO:

Se você tem um objetivo, você tem que começar a se perguntar e programar como atingi-lo. Exemplo: Passar no vestibular. Como? Estudando. Como? Acordando 1h mais cedo para estudar. Com que material? Separando materiais gratuitos no YouTube.

-DESEJO:

Por fim, não menos importante. Conheça-te a ti mesmo!

Exemplo: você realmente quer emagrecer? Quer abrir mão daquele doce todo final de semana, quer deixar de ir no happy hour para ir treinar, quer dormir mais cedo?

Exemplo 2: Você realmente quer mudar de emprego? Você se qualifica para isso?Você se programa financeiramente para trocar de profissão? Você está disposto a diminuir sua renda (pelo menos por um período)?

Além disso, você já parou para pensar no seu mais intimo: POR QUE VOCÊ QUER AQUELE OBJETIVO?

Às vezes você arranja uma porção de desculpas, é desorganizado pelo simples fato desde não ser o seu objetivo e sim, de outros (da sua mãe, do seu companheiro (a), da sociedade).

E por isso que neste blog falamos tanto sobre autoconhecimento. Eu mesma já passei por isso. Achava que o sonho e o objetivo da minha vida era passar num concurso público. Eu ficava horas sentada, 7h,8h e até 12h sentada “estudando”. E o estudo não rendia. Depois de um tempo, eu percebi que não conseguia, porque aquele não era o meu objetivo pessoal, os motivos de passar no concurso não me convenciam, eram objetivos e motivos de outras pessoas. Então não me sinto desistente ou perdedora por isso, eu só DESPERTEI e segui meu caminho.

DESPERTE, ACORDAR NÃO É SUFICIENTE!

Gostou? Não deixe de comentar! E aproveite e me siga no instagram: @leticia.mcf

A Pirâmide do CrossFit

       Todo mundo sabe o quanto o esporte é importante no auxílio ao emagrecimento. No entanto, o esporte sozinho não traz resultados ou traz resultados pequenos.

      Antes de começar a falar sobre a pirâmide do CrossFit, vou relembrar um pouco a minha história (que você pode ler melhor neste post aqui). Entrei no CrossFit em 2015 e me apaixonei pelo esporte. Ele por si só foi suficiente para que eu mantivesse a prática regular do esporte. Em 2016 estava um pouco frustrada, treinava regularmente e não sentia evolução nos treinos. Foi quando notei que precisava de uma dedicação além do esporte, eu precisava do auxílio nutricional. Eu precisava estar mais leve para movimentos ginásticos e para ser mais ágil. Foi aí que minha história com o emagrecimento e meu primeiro contato com a nutrição aconteceram (Leia os post como tudo começou e vou estudar nutrição para entender melhor sobre).

      Pois bem, adivinha só qual é a base da pirâmide do CrossFit? Ela mesma, a minha queridinha, a NUTRIÇÃO.

      Ao contrário do que muitos pensam ou pregam, não é o LPO, não é o metabólico, não é nada disso, é a NUTRIÇÂO!

    Inclusive o criador do CrossFit, Greg Glassman, é reconhecido por travar “lutas” contra grandes empresas como a Coca Cola.

    A alimentação vai influenciar diretamente no seu rendimento e resultados. Mas mais do que isso, a alimentação, a nutrição, vai salvar sua vida. Quem aqui nunca escutou o famoso discurso do Greg Glassman:

“Não é sobre enviar atletas para as competições, e sim sobre salvar vidas. Cada Box de CrossFit existe como um barco salva-vidas contra um tsunami de doenças crônicas que está vindo em nossas direções”

    A CrossFit defende é a Dieta da Zona, hoje não vamos detalhá-la, vamos falar seu ponto principal. O que a CrossFit propaga em termos de se tornar mais saudável e evitar o surgimento de doenças crônicas é:

– Coma carnes e verduras, castanhas e sementes, algumas frutas, pouco amido e nada de açúcar.

– Não coma alimentos ultraprocessados ou processados. Como saber quais são?

> Se não é algo que poderia ter saído da horta ou fazenda e consumi-los uma hora depois, não é comida.

> Faça as compras no perímetro da mercearia e não nos corredores (você vai reparar que é no perímetro onde normalmente ficam verduras, legumes e frutas);

> Se tem um rótulo de comida, não é comida. Você não vê rótulos nos frangos. E nem nos tomates. Mas está nas batatas fritas e biscoitos;

> Se não for perecível, se disser “consumir até 2019”, não é comida.

    Se você lê o blog vai saber que eu concordo com essa base de orientação. E o mais incrível é saber que eles realmente praticam o que eles pregam. E aqui vai mais um relato pessoal: Fui voluntária no CrossFit Latin America Regionals, que aconteceu em maio desse ano (2018) e para todos os voluntários tinha uma área de restaurante, com alimentação adequada e prescrita por nutricionista.

    Se você leu até aqui, muito obrigada pelo seu interesse, acompanhe mais no instagram e deixe seu comentário se gostou ou sobre o que você gostaria de ler aqui no blog.

Creme de legumes ou raízes

O creme feito por algum legume é uma ótima carta na manga: fácil de fazer, barato, gostoso, saudável e prático.

Utilizo dessa tática com frequência, e vou dividir com vocês a base para TODOS os meus cremes, seja ele de algum legume ou de alguma raiz. A base é bem simples e depois você pode criar de acordo com o seu paladar. SE PERMITA, CRIE e EXPERIMENTE!!

 Essas dicas e muitas outras aprendi lá no instagram da @liliansa.

A base para os famosos creminhos é: uma cebola picada, refogada na manteiga. SÓ. Fácil assim.

Você pode usar essa base para o que quiser, eu costumo usar com: Chuchu (sim!!! Fica divino e a dica também é da Lili), abóbora, brócolis, batata baroa e couve-flor.

Então, vamos à receita:

Pique a cebola (pode ser grosseiramente já que você vai passar o mixer ou por no liquidificador depois), refogue na manteiga, até a cebola ficar quase transparente.

Adicione o legume, cubra até a metade com água fervente. Quando o legume já estiver bem molinho, quase sem água, passe o mixer ou leve ao liquidificador e bata até virar creme e acerte o sal.

A partir daí, use sua criatividade!!

Você pode adicionar creme de leite fresco para ficar ainda mais cremoso e saboroso, mas não é obrigatório. Lembre-se, você é livre para criar e experimentar.

Aproveite para testar novos temperos, como páprica doce, noz moscada, pimentas e outros (Mas fique atento a temperos prontos, estes costumam ter ingredientes do mal).

Também pode misturar na sua porção de creme, um pedaço de queijo, cebola desidratada, alho frito, lingüiça artesanal, um mar de possibilidades.

Gostou? Comenta aqui! Eu divido um pouco disso e muito mais lá no instagram, para me seguir clica aqui! Grande beijo!

3 DICAS RÁPIDAS SOBRE LER RÓTULOS

Você já deve ter me visto falando sobre ler rótulos e a sua importância. Mas, afinal, o que nós devemos nos atentar ao ler um rótulo? Separei 3 dicas rápidas;)

1º: LEIA OS INGREDIENTES:

 Fique atento aos ingredientes, quanto menos tiver, melhor. Isso significa que primeiro você deve buscar alimentos que são seu próprio ingrediente, que não há rótulos, como por exemplo, o fruto do tomate. Caso não seja possível, procure o produto que liste a menor quantidade de ingredientes possível.

 

Tomate e molho de tomate

No exemplo da foto, podemos notar que um simples molho de tomate levou: açúcar, amido, óleo vegetal e realçador de sabor glutamato monossódico. Vários ingredientes que não fazem bem para sua saúde e prejudicam o seu emagrecimento.

Mas e quando você não sabe o que significa algum ingrediente? Significa que você tem que correr desse produto! Tem grandes chances de ser açúcar com outro nome.

 

2º A ORDEM DOS INGREDIENTES É IMPORTANTE:

 

Os ingredientes são listados em ordem decrescente, ou seja, o primeiro é o que contém mais e assim por diante. Note:

Tlabete 70%

Tablete de chocolate 70% cacau

INGREDIENTES : Pasta de cacau, açúcar, leite em pó integral, manteiga de cacau, emulsificante lecitina de soja e aromatizante.

Tablete de chocolate amargo

Chocolate Amargo

INGREDIENTES : Açúcar, pasta de cacau, leite em pó integral, castanha-de-caju, manteiga de cacau, emulsificante lecitina de soja e aromatizante.

Percebeu a diferença??

 

3º OLHE A TABELA NUTRICIONAL:

Após as duas verificações é que você vai verificar a tabela nutricional, principalmente se você está em emagrecimento. É legal ficar atento a quantidade de carboidratos que este produto possui e como verificar?

Passo 1: Olhe a tabela nutricional e verifique a quantidade de carboidratos.

Passo 2: Verifique quanto desse carboidrato é fibra. Quanto mais, melhor.

Passo 3: Diminua a quantidade de carboidratos pelo da fibra e essa será a quantidade dele “pura”.

É isso! Gostou das dicas? Comente!! Quer ler sobre algo em específico, me conta! E aproveita para seguir o blog no instagram, basta clicar aqui.